Aos 73 anos, morre Jane di Castro

Faleceu na manhã dessa sexta (23/10), no Rio de Janeiro, a cantora e atriz Jane di Castro, em virtude de complicações de um câncer. A Câmara de Comércio de Turismo LGBT do Brasil se solidariza com familiares e fãs que perdem uma das grandes estrelas e ativista LGBTI+ do país.

“Essa é uma notícia muito triste para a comunidade LGBTI+. Ela foi uma figura muito importante da nossa história, da nossa cultura, lutando sempre pelos direitos LGBT. É realmente uma perda muito grande para a nossa comunidade e para o Brasil”, lamentou Be Zilberman, que assumiu recentemente a Diretoria de Cultura da Câmara LGBT.

Jane lutou pelos direitos da comunidade LGBTI+ desde cedo, quando saiu da casa dos seus pais para viver de arte. Na década de 60 começou a trabalhar como cabeleireira em Copacabana (abriu seu próprio salão apenas em 2001) e a se apresentar nas casas noturnas do bairro. Em 1966 estreou no Teatro Dulcina.

Foi dirigida por Bibi Ferreira no espetáculo “Gay Fantasy”, em que atuou ao lado de Rogéria, Marlene Casanova e Ney Latorraca. Em 2004 estrelou no Teatro Rival o espetáculo “Divinas Divas” ao lado de Rogéria, Divina Valéria, Camille K, Eloína dos Leopardos, Marquesa, Brigitte de Búzios e Fujika de Halliday. O musical que mostrava a trajetória de transformistas e travestis de Copacabana manteve-se em cartaz por 10 anos e originou um documentário dirigido por Leandra Leal. Jane se apresentou em diferentes palcos no Brasil e no mundo, incluindo o Lincoln Center, em Nova York.

Depois de 47 anos vivendo com Otávio Bonfim, formalizou a união em 2014, num casamento coletivo que reuniu 160 casais LGBT. Seu marido faleceu dois anos atrás.

Matéria escrita por
Otavio Furtado
Diretor de Comunicação da Câmara LGBT do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *