André Fonseca cria curso online para resistência cultural LGBTI+

Em tempos que a produção cultural LGBTI+ tem sofrido censura e maior dificuldade de circulação por conta do projeto político em curso no Brasil, André Fonseca criou um curso para apresentar soluções para pessoas que de algum modo trabalham com essa produção (ou sejam interessadas por ela) a pensar novos caminhos e estratégias para a continuidade e a resistência de seus trabalhos.

O curso “Ativismo Cultural LGBTQIA+”, de 24/08 a 16/09, será composto por oito encontros online ao vivo – que ocorrerão na plataforma Sympla Streaming – e por materiais de estudo, que serão compostos por vídeos, textos e outros. Alguns serão produzidos especialmente para o curso, e outros já estão disponíveis na internet. Os encontros online serão compostos por conteúdos expositivos, atividades em grupos e debates, mantendo uma metodologia sempre dinâmica.

Serão discutidos por que a comunidade LGBTI+ virou um elemento estratégico na política do Brasil atual, como a era digital vem impactando a produção cultural LGBTI+, a quem interessa a inclusão LGBTI+, como pensar estratégias de comunicação e aproximação com os públicos e como fomentar a produção cultural LGBTI+ em tempos de censura (e pandemia).

O curso é para pessoas LGBTI+ que já tenham algum tipo de atuação na área cultural (mesmo que não seja profissional) ou que não atuam com cultura, mas têm interesse pelo tema e em colaborar com a continuidade da produção cultural da comunidade.

André Fonseca atua de modo independente nas áreas de gestão cultural, comunicação e diversidade/inclusão. É graduado em comunicação social com habilitação em marketing pela ESPM-Escola Superior de Propaganda e Marketing e pós-graduado em Cooperação e Gestão Cultural Internacional pela Universidade de Barcelona. Foi diretor de programação do Festival Mix Brasil (1997/1998) e atuou na organização da 1a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (1997).

Paola Valentina Xavier, produtora cultural no Museu da Diversidade Sexual e do programa “Ma+s orgulho” e responsável pelo apoio às paradas LGBTI+ no interior do Estado de São Paulo; e Gabi Gonçalves, que coordena o Núcleo Corpo Rastreado, Lia Rodrigues Companhia de Danças e Cena 11, além do festival FarOFFa serão convidadas do curso.

Mais informações: https://www.sympla.com.br/ativismo-cultural-lgbtqia__924332

Matéria escrita por
Otavio Furtado
Diretor de Comunicação da Câmara LGBT do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *